A palavra – Por Gadamer

Imagem: Tarsila do Amaral – Abaporu

“Talvez a melhor forma de mostrar isso seja a partir da interpretação heideggeriana da aletheia. Heidegger traduz aletheia por ‘desvelamento’. A partir do uso linguístico grego, talvez fosse mais correto dizer com Humboldt e outros: ‘desocultamento’. (…) A linguagem ‘arranca’ do ‘velamento’, traz para o desvelamento, para a palavra e para o risco do pensamento. (…) É quase desnecessário dizer como resultou daí facilmente para Heidegger a passagem para o ‘morar’. Pois ‘morar’ também é efetivamente uma palavra para designar o fato de não nos encontrarmos diante dos objetos para dominá-los. Nós habitamos no habitual. No interior desse habitual também se acha a linguagem, algo em que vivemos, moramos e nos sentimos em casa. (…) Palavra e língua são aquilo com o que lidamos uns com os outros e com o mundo no estamos em casa – essa moral do qual Hegel já estava consciente ao empregar a bela expressão ‘encontrar sua moradia’ para descrever a tarefa humana. De maneira similar, Heidegger mostrou junto ao morar que a palavra não possui em torno de si um círculo daquilo que é dominado, mas um círculo daquilo que é familiar. É um espaço próprio que se abre aí – e um espaço no qual nunca estamos sozinhos. Não apenas porque estamos aí tão frequentemente com outros homens. Sempre estamos antes de tudo envolvidos pelos rastos da própria vida e preenchidos pela totalidade de nossas lembranças e esperanças”.

 “Hermenêutica em Retrospectiva” – Hans-Georg Gadamer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: