A incrível história da africana que aceitou ser mutilada para poder ir à escola

escola-300x212Imagem: Kakenya Ntaiya

Diretamente da Revista Afro.

A queniana Kakenya Ntaiya fez um acordo com seu pai: ela se submeteria ao tradicional rito de passagem Maassai,  a circuncisão feminina, se ele a deixasse frequentar o Ensino Médio. Sua corajosa história até chegar à faculdade, e seu trabalho junto aos mais velhos de sua vila, para construir uma escola para meninas na comunidade tornou-se conhecido mundo afora e mudou o destino de 125 jovens mulheres.

Kakenya Ntaiya nasceu para seguir o caminho tradicional das meninas da pequena aldeia de Enoosaen, no Quênia. Aos 5 anos, ela foi predestinada a participar de uma cerimônia de circuncisão feminina assim que se tornasse adolescente para poder se casar. Mas ela tinha um plano diferente…

Quando a idade chegou, ela negociou com seu pai que, de bom grado, concordaria em ser circuncidada se ele permitisse que que ela terminasse o colegial. Mais tarde, quando Kakenya Ntaiya foi aceita para Randolph Macon College, em Viriginia, ela negociou com os anciãos de sua aldeia para fazer o que nenhuma menina nunca tinha feito antes: deixar sua terra natal para ir à faculdade nos Estados Unidos.

Entretanto, ela não foi embora para sempre. Profundamente orgulhosa de sua herança e de sua comunidade, Ntaiya voltou para a aldeia, depois da faculdade e trabalhou com os mais velhos para poder proporcionar uma escola para meninas lá.  ”Kakenya – O Centro de Excelência” foi criado em 2009, com 32 alunos.

O currículo da escola primária de primeiro grau. apenas para meninas, se concentra em acadêmicos, na liderança e no empoderamento feminino, junto com a preservação cultural e habilidades para a vida. As famílias que podem, pagam mensalidade e Ntaiya também trabalha com os doadores para fornecer bolsas de estudo para os outros.

Além de seu trabalho com a escola, Ntaiya também é uma exploradora da National Geographic. “Para milhares de famílias no Quênia, sete vacas são mais valiosas do que o futuro de uma menina … Agora, um edifício subiu numa aldeia remota e pode mudar tudo. A primeira escola primária e só para meninas da região foi criada num ato de pura vontade, persistência e otimismo inexplicável”, disse a menina.

Anúncios

Um pensamento sobre “A incrível história da africana que aceitou ser mutilada para poder ir à escola

  1. norma7 maio 3, 2013 às 9:06 pm Reply

    …M’ESPANTO ÀS VEZES , OUTRAS M’AVERGONHO …
    (Sá de Miranda)
    e em outras me orgulho. Norma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: