5 razões científicas que mostram por que pais homossexuais são excelentes

banksy_29Imagem: Banksy

Diretamente do LiveScience, com tradução do HypeScience.

A Academia Americana de Pediatria divulgou recentemente (21 de março) seu apoio ao casamento homossexual, bem como a assistência social completa e direitos de adoção para casais do mesmo sexo.

“Crianças prosperam em famílias que são estáveis e que oferecem segurança permanente, e a maneira de fazer isso é através do casamento”, disse Benjamin Siegel, coautor da declaração política. “A AAP acredita que deve haver igualdade de oportunidades para todos os casais acessarem a estabilidade econômica e apoio federal a casais casados para criar filhos”.

No Brasil, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconhece desde 2011 a equivalência das uniões entre homossexuais e heterossexuais para a formação de uma família. Já a primeira adoção feita por casais homossexuais foi concretizada em 2005.

A pesquisa científica sobre filhos de casais homossexuais é um campo emergente, mas, até agora, a evidência está do lado da AAP e dos juízes que concedem adoção a essas famílias. Conheça cinco razões pelas quais os pais homossexuais costumam fazer um excelente trabalho em criar seus filhos:

5. Eles escolhem ter filhos

Casais heterossexuais frequentemente têm bebês “oops” – ou seja, filhos “indesejados”. Segundo o Instituto Guttmacher, cerca de metade das gestações nos EUA não são planejadas, e cerca de metade dessas gestações não planejadas acabam em nascimento, não aborto.
Pais de bebês não planejados podem fazer um bom trabalho os criando, é claro, mas alguns estão em circunstâncias terríveis – são famílias de baixa renda, muitas vezes sem condições de dar o suporte necessário a criança.

Os casais homossexuais, em contraste, geralmente passam por um processo extenso quando pretendem ter bebês. Eles têm que superar diversas dificuldades e limites biológicos para adotar, encontrar barrigas de aluguel ou doadores de esperma ou usar métodos de fertilização in vitro. Após perseverar através desses desafios, pais gays “tendem a ser mais motivados, mais comprometidos do que os pais heterossexuais, em média, porque eles escolheram ser pais”, explica Abbie Goldberg, psicólogo da Universidade de Clark em Massachusetts (EUA).

Assim, o desempenho do grupo de pais gays não é tão distorcido por pessoas que caíram acidentalmente na paternidade ou maternidade e não estavam preparados para ela.

4. Eles ajudam os mais necessitados

Pais gays são um grande recurso para as crianças que aguardam adoção, especialmente os casos mais necessitados. Em outubro de 2011, o Instituto de Adoção Evan B. Donaldson (EUA) descobriu que 60% dos pais gays adotavam crianças de diferentes raças das suas, o que é importante, porque as crianças de minorias têm dificuldades para sair do sistema de adoção. E 25% das crianças colocadas com pais adotivos gays ou lésbicas tinham mais de três anos – também uma faixa etária difícil de ser adotada. Mais da metade das crianças tinham necessidades especiais.

Um relatório de 2007 do Instituto Urbano (EUA) concluiu que mais de metade dos homens homossexuais e 41% das lésbicas nos Estados Unidos gostariam de adotar. É um número enorme de pais em potencial, que supera as mais de 100 mil crianças adotáveis presas em lares hoje no país.

No Brasil, um estudo feito pelo demógrafo Reinaldo Gregori tendo como base os dados do Censo 2010 revelou uma surpreendente taxa de casais do mesmo sexo no Brasil que já têm filhos: 20%. A pesquisa também mostrou que, enquanto apenas 34% dos chefes de família heterossexuais possuem mais de dez anos de estudo, entre os casais homossexuais declarados esse número chega a 67% e seu rendimento financeiro médio, de 5.200 reais, é quase o dobro. Ou seja, não há dúvida de que casais homossexuais são importantes (e talvez até mais adequados) para dar carinho e suporte a milhares de crianças brasileiras que foram abandonadas pelos mais diversos motivos.

3. Eles promovem a tolerância

Essa é considerada uma vantagem de se ter pais gays pelas próprias crianças criadas por eles: filhos de casais homossexuais dizem que sua educação ensinou-lhes a ter mente aberta e empatia.

Em um estudo de 2007 publicado no American Journal of Orthopsychiatry, Goldberg entrevistou 46 adultos que cresceram com pelo menos um pai gay. 28% dos entrevistados mencionou independentemente que eles sentiam que sua criação os havia tornado mais tolerantes. “Homens e mulheres sentiram como se estivessem livres para buscar uma ampla gama de interesses”, afirmou Goldberg. Ou seja, eles não foram sujeitos a estereótipos dos mais básicos, como “você não pode fazer isso, isso é coisa de menino”, ou “isso é coisa de menina”.

2. Seus filhos vão bem na escola

Uma revisão de todos os estudos existentes sobre pais do mesmo sexo e seus filhos publicada em 2010 constatou que as médias de notas acadêmicas (GPA, em inglês) eram iguais entre crianças de lares heterossexuais e homossexuais.

Em um estudo comparando adolescentes que vivem em ambos os tipos de famílias, meninos de mães lésbicas tinham uma média de GPA de 2,9, em comparação com 2,65 para os meninos de pais heterossexuais. Meninas adolescentes criadas por duas mães tiveram um GPA médio de 2,8, em comparação com 2,9 para meninas criadas por uma mãe e um pai (como mais lésbicas do que homens gays têm filhos, estudos sobre elas são mais comuns).

Outra análise descobriu que a taxa de atividades delinquentes, tais como furtos ou brigas, em crianças de mães lésbicas e pais heterossexuais era a mesma.

Em maio de 2012, um estudo publicado no Journal of Marriage and Family descobriu que as crianças de famílias do mesmo sexo tinham a mesma capacidade matemática do que crianças de famílias heterossexuais, mesmo controlando os dados por conta de fatores familiares, como divórcios.

1. Eles criam filhos confiantes

Muitos críticos da família centrada em pais homossexuais diz que as crianças sofrem bullying e não crescem com a mesma “tranquilidade” ou oportunidades, seja lá o que isso deveria significar. Nos itens anteriores, já vimos que elas são muito bem educadas e se dão bem academicamente. Esse item mostra que também são bem ajustadas psicologicamente.

Uma educação em uma casa de casais do mesmo sexo pode até dar às crianças um impulso de confiança. Em um estudo de 2010 publicado na revista Pediatrics, os pesquisadores examinaram crianças de famílias lésbicas planejadas, em que uma única mãe lésbica ou parceiras lésbicas decidiram ter filhos, em contraste com trazer crianças para uma nova relação a partir de parcerias heterossexuais anteriores. Como outros estudos de mães lésbicas, este não encontrou diferenças significativas no desenvolvimento infantil e comportamento social das crianças.

Mas as crianças de mães lésbicas eram mais confiantes do que as crianças de pais heterossexuais. Segundo os cientistas, o envolvimento ativo dos pais pode explicar o aumento da autoestima nos filhos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: