Coceiras de existir

Imagem: Johannes Veermer

Imagem: Johannes Veermer

Segundo a sabedoria das nações, o anão sobre os ombros do gigante vê mais longe do que o gigante.

Entre tantas possibilidades, nascemos depois de Einstein, Newton, Planck, Darwin, Tesla, Galileu, Copérnico, Kepler. Tal é o encanto que, como disse Marcelo Gleiser certa vez, poderíamos sentar a uma mesa com Aristóteles e deixa-lo absolutamente impressionado. O que hoje é conceito absorvido pela cultura popular, não era sequer conhecido há algumas centenas de anos e, mesmo sem a pretensão de vermos mais longe, somos capazes de ampliar os horizontes.

Na prática, estamos sozinhos no Cosmos – mas somos magnificamente beneficiados em existir nesta civilização e nesta época.

A sabedoria das nações se replica em nós: somos nós mesmos anões sobre os ombros de gigantes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: