Por que compartilhar boatos na internet pode ser prejudicial?

Imagem: Google Search

Imagem: Google Search

A palavra “hoax” é usada para designar falsas notícias (boatos) que circulam na internet e que alcançam um elevado número de pessoas. Alguém os inventa com uma má intenção e as pessoas acabam por acreditar nele, espalhando-o na maior boa vontade. Afinal, se é uma mentira, “todo mundo vai esquecer”. “Mal não faz”, não é mesmo?

Faz sim. São conhecidos diversos casos de pessoas que tiveram suas fotos ou contatos espalhados na rede através de um hoax – e acabaram perdendo emprego ou sendo perseguidas. Os boatos podem ofender, denegrir e causar danos não apenas à reputação, mas também à saúde mental de alguém.

Em outros casos, como frequentemente ocorre com hoax de “medicamentos que curam câncer”, as pessoas podem esperar curas milagrosas e acabar não utilizando o medicamento indicado pelo médico ou abandonar o tratamento. Criar falsas esperanças é uma das mais nefastas reações de um hoax.

A função do hoax é explorar a facilidade que as pessoas têm em acreditar em tudo que visualizam na internet. O conteúdo tende a ser apelativo, chamando atenção para a comoção que a “notícia” traz consigo. Uma amostra disto são as mensagens que mostram crianças, adultos ou animais acidentados ou acometidos por doenças. Digitar um “amém” não salva ninguém – e, diferentemente do que diz o imaginário popular, traz muito prejuízo. Imagine para um pai, um irmão, um familiar ver alguém que muito estima em fotos terríveis na internet, que circulam sem qualquer autorização? Mesmo em casos de óbito, estas imagens desrespeitam completamente o bom senso.

Existe ainda a velha história de espalhar sites de promoção (falsos) que pedem seus dados confidenciais, onde você acaba tendo o cartão clonado, entre outras coisas. Espalhar hoax pode ser, sim, muito prejudicial.

Fica sempre um apelo: não compartilhe boatos. Pesquise, procure boas fontes, verifique a veracidade da história.

É difícil dizer os motivos pelos quais os hoaxes são inventados: se promoção pessoal, se difamação de um inimigo, se uma má interpretação de alguma notícia. No entanto, é possível prevenir-se procurando identificar os boatos. Assim, o site E-Farsas (que se dispõe a esclarecer e desmistificar boatos que correm a internet) publicou uma lista com 10 passos para reconhecer um hoax. Republicamos aqui:

1) Cita nomes de pessoas ou de instituições para conseguir mais credibilidade
Exemplos:“Esse aviso partiu da Secretaria de Segurança”
“A Universidade Nacional Autônoma do México aprova o uso do leite de alpiste para a cura do diabetes”

2) Usa nomes de pessoas inexistentes com cargos de nomes pomposos e/ou de instituições que não existem
Ao contrário da característica número 1, há hoaxes que usam nomes de pessoas ou de empresas que não existem. Para verificar isso é fácil: basta buscar algum dos nomes citados no texto no Google, por exemplo. Se o nome do personagem só aparece em blogs que apenas copiaram a notícia, pode ser um indício de farsa.

3) Não é datada para que o leitor sempre tenha a impressão de que a notícia é recente
Exemplo: “Família da garota Ashley Flores, desaparecida há 2 semanas, pede sua ajuda”. Na verdade, essa história já ronda a web há anos!

4) Pede para ser repassada ao maior numero de pessoas
A maioria dos hoaxes pede para ser repassado. Atualmente, os boatos que trafegam pelo Facebook pedem para ser compartilhados para, dessa forma, se espalharem mais e mais.

5) Possui um texto incoerente e confuso
Os autores dessas notícias falsas nem sempre estão preocupados com a gramática ou com a consistência de seus textos. Uma rápida análise em alguns parágrafos já dão pistas de possíveis fraudes.

6) Ausência de fontes
Quando uma noticia chega até você, o primeiro passo é tentar localizar a fonte daquela “bomba”. Grande parte dos hoaxesnão possui autor ou fontes confiáveis.

7) Trata de algum assunto que atraia a maior quantidade de leitores
Assuntos como “saúde”, “famosos”, “crianças”, “maus tratos com animais”, “religião” e “dinheiro” são corriqueiros entre os hoaxes. Quanto mais gente ler aquela notícia, maiores são as chances da história ser repassada.

8) Possui um tom conspiratório
Muitas das mensagens falsas que rondam a internet possuem um tom conspiratório como se apenas as pessoas que lerem aquilo passarão a fazer parte de um seleto grupo de pessoas esclarecidas. Ou seja, só quem está lendo o texto tem o privilégio de se proteger de alguma ameaça.

9) Usa algumas palavras em letras maiúsculas e/ou coloridas para chamar a atenção do leitor
Vários hoaxes possuem algumas das palavras “URGENTE”, “ATENÇÃO”, “LEIA ESSA MENSAGEM” e outras. A maioria delas escrita em letras garrafais ou coloridas. O leitor é atraído quase que inconscientemente para esses trechos do texto.

10) Mistura fatos reais com ficção
Às vezes, o autor de um boato mistura fatos reais com coisas que saíram de sua mente. Um exemplo disso é aquela famosa teoria que lista várias coincidências entre os presidentes Lincoln e Kennedy.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: